Pré-natal na Holanda – dicas de como é o acompanhamento

12 março, 2015
por:
Gravidinha no tradicional meio de transporte holandês: a bicicleta

Gravidinha no tradicional meio de transporte holandês: a bicicleta

O sistema de saúde na Holanda é bem diferente do Brasil assim como a experiência do pré-natal.

O tipo de cuidado que se recebe depende da classificação de risco da sua gravidez. As gestações sem risco são tratadas por parteiras e clínicos gerais, as de risco médio são tratadas em hospitais gerais com obstetras e parteiras com especialização clínica e as gravidezes de alto risco são tratadas por obstetras em hospitais acadêmicos.

O meu caso foi interessante porque comecei com uma gravidez de baixo risco e terminei classificada como uma gravidez de médio risco, o que me deu a oportunidade de experimentar tanto as parteiras quanto o cuidado no hospital.

Assim que descobri a gravidez, o meu médico da família (clínico-geral), indicou uma “verloskundige”, que é a parteira, para fazer todo o pré-natal.

Como no Brasil sempre somos tratados diretamente com especialistas, a ideia do acompanhamento da gestação ser feito por parteiras pode causar certa ansiedade, principalmente por ser este um momento tão delicado e importante na vida da mulher.

Eu escolhi uma clínica chamada “Verloskundigen 101”. O bom é que o próprio site já contém uma parte escrita em inglês explicando como é o cuidado na gravidez. Neste momento inicial, quanto mais informações a respeito de como funcionavam as coisas lá eu pudesse ter, mais segura eu me sentia e maior era a minha capacidade de depositar naquelas pessoas a confiança para me elas pudessem me ajudar neste período.

mae_tipo_eu-2

As consultas eram sempre muito tranquilas, as parteiras sempre muito carinhosas e o ultrassom era feito em uma clínica especializada para tal. Por volta do terceiro trimestre, a minha gravidez  passou a ser considerada de médio risco e passei a ser tratada no hospital com maiores cuidados. O hospital que escolhi foi o OLVG.

mae_tipo_eu-3

Eu posso dizer que o cuidado foi excelente, com médicos e parteiras cuidadosos, respeitosos e muito humanos.

Minha experiência foi única e guardo com muito carinho todas essas lembranças. Sou muito grata por estas pessoas terem me acolhido e terem sido tão delicadas comigo e com minha família.

Comente no Facebook

Comente no blog

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 Comentário:Pré-natal na Holanda – dicas de como é o acompanhamento

  1. bruna

    olá,
    queria te fazer uma pergunta pois estou com dificuldade de encontrar aqui no seu blog alguma info.
    meu namorado é holandes
    eu acabei de retornar pro brasil pois tenho que ficar indo de 3 em 3 meses
    agora descobri que estou gravida
    e queria fazer o parto em amsterdam
    voce sabe se existe algum visto para gravida?
    o unico visto que vi é o MVV que demora quase 6 meses para sair
    muito tempo
    para mim teria que ser algo rapido que eu pudesse ir em menos de 1 mes
    pq depois de 3 meses gravida nao pode mais viajar ne
    desde ja obrigada

    • Bruna Knijnik

      Olá, tudo bem? Qual seu nome? Quem teve bebê em Amsterdam foi a nossa colunista Thaís, posso passar seu e-mail para ela entrar em contato e te ajudar? Bjs

Posts relacionados com esta matéria