Depressão Pós-Parto – Eu tive e passa!

2 fevereiro, 2016
por:

 

Quando nos tornamos mães descobrimos que as pessoas só nos contam as coisas bonitas que chegam junto à maternidade, né? Ninguém conta que é difícil, que a gente cansa, que às vezes a gente duvida se tomou a decisão certa, que amamentar pode doer, que ficamos inseguras, que às vezes aquele grande amor pelo nosso bebê demora um pouco mais para aparecer…

Até mesmo sem perceber, cerca de 80% das mulheres sentem o chamado “Baby Blues“, que significa uma melancolia pós-parto e é absolutamente normal e comprovada. Quando a grande carga de hormônios recebida na gravidez vai embora, alguns altos e baixos emocionais podem aparecer e é bem comum ver uma recém mamãe chorando, aos prantos, sem mesmo saber o motivo. Muitas vezes ela está realizada e feliz com o nascimento do seu filho, mas mesmo assim, chora! Segundo o meu GO, o período de “Baby Blues” pode durar de 3 a 15 dias e devemos ficar atentas pois, um blues mais longo ou intenso, pode acabar se tornando a temida Depressão Pós-Parto.

Descobri que tanto o “Baby Blues” como a Depressão Pós-Parto acontecem com muitas mulheres e a maioria não comenta e nem gosta de expor. Não sei se é por vergonha ou por não querer demonstrar uma fraqueza, mas somos humanas e não podemos controlar nossos hormônios, ainda mais nesta fase! Confesso que quando passei por este período, me senti um pouco envergonhada em falar abertamente sobre o assunto, mas assim que passou, achei importante compartilhar com amigas e futuras mamães, pois acontece, é normal e passa!

Nos dias seguintes ao nascimento do Samuka, comecei a sentir um pouco de angústia, mas sabia que era normal, pois estava insegura e vivendo uma novidade atrás da outra. Porém, ao invés de ir passando, percebi que foi se intensificando. Fui conversando com meu marido e meu obstetra e ambos me diziam se tratar somente do “Baby Blues” e que logo iria passar. O ápice aconteceu no terceiro mês pós-parto, eu não achava normal não sentir todo aquele amor que as outras mamães comentavam, toda aquela alegria que deveria ter vindo com a maternidade eu ainda não conhecia. Me sentia triste, principalmente pela manhã e chorava bastante, mas sempre sozinha, tinha medo que as pessoas me achassem maluca. Tinha muitos pensamentos negativos como: “Não vou dar conta de tudo isso”, “Estraguei minha vida”, “Meu casamento nunca mais voltará ao normal”, “Não sei ser boa mãe”… Perdi o sono e não tinha vontade de conversar com ninguém. Para me arrumar pela manhã, era um grande esforço.

Como sempre fui muito alegre e otimista, não estava me reconhecendo, era um medo tão grande de nunca mais ser feliz que resolvi ir ao meu obstetra pedir ajuda, ele me orientou a esperar um pouco mais este período hormonal, mas eu insisti e solicitei o contato de um psiquiatra, sabia que aquela não era a Bruna. Sei que tive um caso atípico de Depressão Pós-Parto tardia e também em nível leve, pois em nenhum momento deixei de cuidar do meu bebê, de amamentar e nem tinha pensamentos negativos em relação a ele. Era tudo comigo mesma. Eu sentia que a minha vida tinha mudado, que eu estava muito limitada e nunca mais iria ser como era antes.

O psiquiatra me receitou um antidepressivo, tive que parar de amamentar quando o Samuka tinha apenas 3 meses, mas tudo em prol de uma mãe feliz e sadia, e foi a melhor decisão que eu tomei. Em 15 dias todos os sintomas haviam ido embora, o amor apareceu e junto com ele toda a alegria em ser mãe. Voltei a sair, a fazer todos os programas de antes, porém, com uma nova companhia: meu filho! Como trata-se de uma reposição química, o tratamento mínimo precisava de 6 meses (mesmo já sem nenhum sintoma). Passados os 6 meses tive alta e nunca mais senti algo parecido. Simples, era hormonal!

Passando agora por uma segunda gestação, tenho medo de passar por tudo isso de novo? Um pouco, mas o que me conforta é que já sei os sintomas, posso identificar mais rápido e sei que passa!

Comente no Facebook

Comente no blog

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 Comentário:Depressão Pós-Parto – Eu tive e passa!

  1. Alessandra

    Olá Bruna, poderia me indicar o psiquiatra que você passou e o antidepressivo que você tomou?

    • Bruna Knijnik

      Oi Ale, estou viajando, o nome dele é Dr. Hercílio, não tenho aqui o fone. Bjs

  2. Zelha

    Olá. Estou passando pela minha segunda depressão por parto. Estou medicação ha 10 dias, mas ainda não senti efeito da medicação. Nunca passei por um deserto tão grande.
    Obrigada por compartilhar sua história.

    • Bruna Knijnik

      Oi Zelha, é muito ruim mesmo e percebi que só quem já passou por isso consegue entender, parece que outra pessoa habita na gente, né? Tive tb no segundo baby e demorou muito mais para passar, mas fica tranquila que passa! Eu demorei mais de 1 mes para ajustar a medicação no segundo filho, tive que aumentar a dosagem, mas deu certo!!! Manda noticias Bjs

      • elizabeth

        Estou passando pela depressão pós parto.
        Descobri logo que os sintomas apareceram e prourei o médico ele me medicou e dei o inicio ao tratamento fazem 3 dias. Não vejo a hora começar a fazer efeito.

        • Bruna Knijnik

          Oi Beth, que bom que você identificou e procurou ajuda, você vai ver, parece que nunca chega, mas logo logo você estará como antes, te garanto! Palavra de quem passou por isso 2 vezes!

Posts relacionados com esta matéria