Viajando de Avião com Criança – Parte II

15 janeiro, 2015
por:

Oi mommies! A pedido da minha amiga Carol Scaff, mãe do Benjamin (1 ano e 2 meses), vou contar hoje sobre a experiência de 2 vôos longos com bebê.

viagem_aviao_criança-Mae_tipo_eu-4

Já havia contato sobre uma viagem curta a Porto Alegre que me deixou com os cabelos em pé e o quanto eu temia esta nossa ida a Miami no final do ano passado.

Através de algumas dicas, acabamos comprando um voo diurno e por alguns dias antes da viagem ficamos arrependidos. Todo mundo começou a falar que deveríamos ter comprado noturno, que seriam 8 longas horas e muito complicado entreter o bebê lá. Foi um bom engano, a viagem foi muito melhor do que esperávamos e hoje eu posso dizer que quando for novamente, provavelmente comprarei voo diurno (e o medo de o bebê não dormir à noite e atrapalhar o voo inteiro?).

Meus pais foram junto, o que ajudou bastante pois, revezamos nos momentos em que ele estava mais entediado.

Vamos ao relato da viagem:

Nosso voo era sábado às 11h, então, acordamos às 7h como de costume e fizemos toda a rotina normal. Como estávamos em 5 pessoas e com muitas malas, contratei uma van para nos buscar em casa e levar até Guarulhos. Saímos às 8h e 8:40h estávamos no aeroporto, uma beleza. O novo terminal 3 está ótimo, não pegamos fila e logo entramos para a Sala Vip da TAM (onde encontramos o Silvio Santos, rsrsrs).

Prontos para Embarcar

Prontos para Embarcar

Levei o carrinho Maclaren, estilo guarda-chuva, e pudemos permanecer com ele até a porta do avião, onde é retirado para despacho.

MACLAREN BMW BUGGY

MACLAREN BMW BUGGY

Em menos de uma hora embarcamos, como prioridade. Estávamos na classe executiva, o que facilitou bastante, uma vez que cada um de nós tinha uma mini cabine com bastante espaço. O Samuka mexeu em tudo o que viu pela frente: poltrona, janela, luz, controle remoto… E depois dormiu por 2 horas, um fofo. Lá pelas 13:30h ele acordou e eu dei o almoço. Levei uma papinha da Nestlé e foi um perrengue, a American Airlines não possui microondas e tive que esquentar em banho maria. Demorou bastante e não ficou muito quente.

Vendo um brinquedo novo

Vendo um brinquedo novo

Meu marido ficou brincando com ele enquanto eu almoçava e depois o levamos para a poltrona da minha mãe. Lá, ele dormiu por mais 2 horas. Voltou às 17h, mamou, brincamos mais um pouco, vimos alguns desenhos e pronto, às 19h pousamos em Miami.

Como estávamos sentados bem na frente, fomos os primeiros a descer do avião, porém, a parte ruim é que a companhia aérea demorou mais de 40 minutos para levar o carrinho até o portão e tivemos que ficar esperando… Esta parte foi pior do que qualquer minuto no voo. Após esta demora, obviamente pegamos uma fila gigantesca na imigração… Mas nada que biscoitinhos de polvilho não resolvam.

Todo o arsenal de biscoito que levei :p

Todo o arsenal de biscoito que levei – Água e Sal, Maisena e Polvilho

Chegamos ao hotel às 18h de Miami, equivalentes às 21h daqui, bem quando ele toma banho e vai dormir. Tudo certo!

A volta foi muito parecida, mas com uma grande vantagem: Compramos o Yoyo, um carrinho S-E-N-S-A-C-I-O-N-A-L! Ele fecha e vai dentro de uma bolsa que cabe perfeitamente dentro do avião, fora que pesa menos de 6kg, ou seja, vale como bagagem de mão! É muito leve, uma delícia de empurrar e ainda conseguimos abrir e fechar somente com uma mão. Assim que o avião pousou no Brasil, abrimos o carrinho ainda dentro da aeronave e nele o Samuka ficou até entrarmos na van. Salvou a vida, pois aqui no Brasil eles não entregam os carrinhos na porta do avião, pegamos apenas na esteira de bagagens, após a fila de imigração!

Samuka em seu Yoyo, dentro do avião esperando para desembarcar

Samuka em seu Yoyo, dentro do avião esperando para desembarcar

(parenteses somente para contar que mesmo no novo terminal não paramos em um finger, então, meu marido e eu descemos com o carrinho pela escada mesmo, e ainda entramos com ele no ônibus, rsrsrs).

Algumas dicas que eu havia lido na internet e que foram muito úteis:

– Comprar alguns brinquedinhos novos e embalar para presente. Ir entregando um de cada vez. As crianças se entretêm muito com novidades.

Papai abrindo um dos presentes com o Samuka

Papai abrindo um dos presentes com o Samuka

– Leve o travesseiro do seu filho, naninha caso ele tenha, livrinhos, DVD ou IPad (ou ambos) e muitos petiscos, que também ajudam a distrair. Veja o que levar na mala de mão aqui.

Toda a tranqueira que eu levei

Toda a tranqueira que eu levei

– Minha dica: Se você puder, compre um carrinho Yoyo, o melhor custo benefício e sem dúvida a minha melhor compra na viagem!

Boa viagem 😉

Tags:

Comente no Facebook

Comente no blog

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 Comentário:Viajando de Avião com Criança – Parte II

  1. Karina

    Sempre fofa e informativa Bruna! Estou adorando ler as suas dicas!
    Bjkas

    • Bruna Knijnik

      Ahhh e eu adorei o seu comentário 😉 Estou fazendo o blog com muito carinho! Obrigada!

  2. Fabiola Colombani

    Fui ver o preço, queria muito comprar um assim, viajo bastante e seria legal, mas aqui no Brasil custa quase 3000,00. Tem algum lugar mais barato?

    • Bruna Knijnik

      Fabíola, infelizmente o carrinho é caro mesmo. Nos EUA em torno de 400 dolares

  3. Marelo

    Olá, quantos anos tinha o seu filho na data dessa viagem?

    • Bruna Knijnik

      Oi Marcelo, 1 ano e 1 mês

Posts relacionados com esta matéria