Qualidade de vida e o estilo parental

19 junho, 2018
por:

Olá!

Eu, particularmente, adoro o nome que a Bruna deu para o blog… E outro dia, me peguei pensando… Qual tipo de mãe eu sou? E será que nós mães somos uma? Acho que somos muitas mães. E acho que a Bruna acertou no nome, pois temos muitas coisas em comum só por sermos mães então, uma mãe tipo eu, tipo você, com certeza se preocupa com a educação do seu filho e uma das coisas mais importantes é a comunicação e a forma que você reage a situações no dia a dia. E digo nas conquistas também, não somente nos momentos de estresse.

Por isso, resolvi trazer um tema que tem sido muito estudado no mundo todo, visando entender como porque alguns adultos têm mais sucesso em seus trabalhos, relacionamentos e qualidade de saúde mental. O interessante são os pontos que têm aparecido nas pesquisas e estudos feitos durante anos com os mesmos indivíduos, sobre o que na sua infância contribui para essa qualidade de vida na idade adulta. E o estilo parental tem sido um dos principais fatores que influenciam em como crianças e adultos lidam com situações positivas, de estresse e principalmente quando é necessário ser resiliente. Claro que há também influência da genética, cultura e personalidade, mas o estilo parental é muito importante.

Os estilo parental é o padrão de comunicação e comportamento dos pais e/ou cuidadores em relação às crianças nos mais diversos acontecimentos do dia a dia. Por exemplo: como os pais colocam limites e regras, se comunicam, ensinam algo novo, tomam de decisões, agem em relação às necessidades e demandas emocionais dos filhos, etc.

Quero que fique bem claro que essas classificações não são feitas para culpabilizar as mães ou as famílias, mas sim, para auxiliar quem educa a compreender melhor percepções das crianças em cada fase de desenvolvimento cerebral e socioemocional. Nós, pais, apesar de utilizar de diferentes estratégias no dia a dia com nossos filhos, temos um estilo predominante de atuar.

Mas de onde vem esse tal estilo? Já parou pra pensar porque você é quem você é? Nossas experiências, nível socioeconômico, oportunidades, escolaridade dos nossos pais, ordem do nascimento dos filhos e a diferença de sexo deles, expectativas, qualidade da saúde mental e desenvolvimento socioemocional dos pais, cultura em que vivemos ou fomos criados, princípios, personalidade, crenças e valores, influenciam no nosso estilo parental.

Vou contar pra vocês um dos modelos estudados, que é o mais famosos no mundo, ele já foi atualizado confirme as pesquisas atuais.

Pais autoritativos tentam direcionar as atividades de suas crianças de maneira racional e orientada, incentivam o diálogo e exercem firme controle nos pontos de divergência, colocando sua perspectiva de adulto e reconhecendo que a criança possui interesses próprios e maneiras particulares.

Pais autoritários modelam, controlam e avaliam o comportamento da criança de acordo com regras de conduta estabelecidas e normalmente absolutas; são a favor de medidas punitivas para lidar com aspectos da criança que entram em conflito com o que eles pensam ser certo.

Os pais indulgentes tentam se comportar de maneira não-punitiva e receptiva diante dos desejos e ações da criança; apresentam-se para seus filhos como um recurso para realização de seus desejos e não como um modelo, nem como um agente responsável por moldar ou direcionar seu comportamento.

Os pais autoritários são exigentes, mas não são responsivos; pais indulgentes são responsivos, mas não são exigentes; pais autoritativos são tanto exigentes quanto responsivos; pais negligentes não são exigentes nem responsivos.

Um estilo parental negligente não pode ser confundido com a negligência abusiva, a qual é considerada uma violência contra a criança e refere-se a prejuízo ou risco como resultado de formas inadequadas de nutrição, vestimenta, higiene e supervisão (Roig & Ochotorena, 1993). Refere-se aos pais que não se envolvem com seus papéis de pais e, a longo prazo, os componentes do papel parental tendem a diminuir cada vez mais, às vezes a desaparecer, até restar uma mínima relação funcional entre pais e filhos.

Ao avaliar a eficácia de cada estilo parental, verificou-se que os resultados mais positivos foram encontrados em crianças educadas segundo o estilo autoritativo, nomeadamente no que diz respeito a níveis mais elevados de maturidade, assertividade, autonomia e responsabilidade social.

Você consegue identificar seu estilo?

Por: PSICÓLOGA E PSICOPEDAGOGA DANI DIDIO

Comente no Facebook

Comente no blog

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados com esta matéria