As brincadeiras livres, que fazem as crianças se envolvem ativamente e espontaneamente estimulam o desenvolvimento mental e social, a linguagem e a capacidade de resolução de problemas. Habilidades que serão úteis ao longo da vida.

O melhor remédio é brincar!

5 setembro, 2018
por:

Aqui nos EUA, as crianças ficam em torno de 6h por dia na escola. Acho a carga horária puxada. Quando estou no trabalho, tenho uma ajuda com eles e sempre aviso que assim que chegam em casa, a prioridade é brincar.

Pode ser no parque, no quintal ou mesmo no quarto de brinquedos. Eu amo pesquisar atividades e brincadeiras em diversos perfis de instagram ou pinterest. Amo criar brinquedos com sucatas e atividades que incentivem a criatividade e os meninos sempre entram na brincadeira.

Por isso eu fiquei tão feliz em ler a matéria da ultima Veja, onde abordam que a AAP (Associação Americana de Pediatria) recomenda que os médicos “receitem” brincadeiras para seus pacientes. Mas não brincadeiras com jogos eletrônicos não, são as brincadeiras de antigamente, como: amarelinha, 5 marias, esconde-esconde, passa anel, seu mestre mandou, coelho sai da toca, queimada, bicicleta, pular corda, brincadeiras com as mãos, e muito mais!

As brincadeiras livres, que fazem as crianças se envolvem ativamente e espontaneamente estimulam o desenvolvimento mental e social, a linguagem e a capacidade de resolução de problemas. Habilidades que serão úteis ao longo da vida.

Muitas vezes, recorrer ao tablet ou celular é conveniente para os pais, porém, o uso destas tecnologias deve ser limitado e não a regra. Os eletrônicos também são relevantes para alguns desenvolvimentos infantis, mas, o maior problema do excesso dos mesmos é a ausência de interação física e falta de traquejo social.

Vejam abaixo a divisão feita pela AAP, cada grupo responde para uma área da saúde, como por exemplo, brincar de carrinho desenvolve coordenação, capacidade de comunicação e pensamento abstrato. Os jogos coletivos estimulam inteligência emocional, competência para aprender a perder, ganhar e arriscar. Brincar estimula todos os 5 sentidos e quanto mais conseguimos ativa-los em uma so brincadeira, melhor será a evolução da criança.

Fonte: Revista Veja

Por fim, brincar também traz um efeito anti-sedentário e emagrecedor, alem do efeito anti-stress pois, libera neurotransmissores ligados a sensação de prazer e bem-estar.

Bora brincar?

Comente no Facebook

Comente no blog

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados com esta matéria